Desmame fisiológico

Segundo a Organização Mundial de Saúde a amamentação deve ser exclusiva até aos 6 meses de vida do bebé e complementar, idealmente, até aos 2 anos de vida.

 

O aleitamento materno exclusivo implica fornecer apenas leite materno, sem a introdução de outros alimentos. Não seguir essa prática ou realizar o desmame precoce acarreta diversas repercussões para o bebé, incluindo impactos no desenvolvimento da linguagem, estruturas orofaciais e funções essenciais para o seu crescimento.

 

O que é o desmame fisiológico?

O desmame fisiológico refere-se ao processo natural e gradual pelo qual um bebé deixa de depender exclusivamente do leite materno ou da fórmula e passa a integrar outros alimentos na sua dieta. 

Este processo ocorre à medida que a criança vai desenvolvendo a capacidade de mastigar, engolir e digerir alimentos sólidos.

O desmame fisiológico é guiado pelo desenvolvimento do bebé e pelas suas necessidades nutricionais que se encontram em evolução, nomeadamente necessidades proteicas e de ferro.

 

Quais as principais alterações na mamã durante o processo do desmame?

 

Mudanças hormonais: A redução da estimulação da mama devido à diminuição do número\duração da mamada pode levar a alterações nos níveis de prolactina e ocitocina (hormonas associadas com a  produção e libertação de leite respectivamente);

Mudanças nas mamas: Com o decorrer do desmame, as mamas podem reduzir de tamanho e firmeza, à medida que a produção de leite também diminui;

Dieta: Com a diminuição das necessidades energéticas relacionadas com a  amamentação, a mamã pode necessitar de ajuda para ajustar a sua dieta para atender às necessidades nutricionais do seu próprio corpo;

Emocionais: O desmame pode ter implicações emocionais e psicológicas na mamã, porque no fundo existe uma transição naquela relação íntima estabelecida com o bebé durante a amamentação. Pode levar a vários tipos de sentimentos na mãe, como saudade, adaptação ou até mesmo de alívio para algumas mamãs.  Entre outras alterações.

É importante perceber que cada mamã irá experimentar o desmame de forma única pelo que é fundamental que a mamã tenha suporte emocional durante este processo. Poderá encontrar suporte e orientação profissional na nossa consulta de amamentação de forma a garantir uma transição saudável e bem-sucedida. 

 

Quais as orientações gerais para um desmame fisiológico saudável?

 

Em primeiro lugar queremos salientar que o desmame fisiológico é um processo individual e gradual, e que as orientações podem variais com base nas necessidades específicas de cada mãe e bebé.

No entanto, algumas das orientações gerais são:

Fale com o seu profissional de saúde: fale com o pediatra ou com a sua enfermeira de referência especializada em lactação para obter apoio específico para o seu caso e do seu bebé;

Ofereça conforto alternativo: Ofereça conforto e miminho ao seu bebé durante os momentos em que o bebé costumava ser amamentado, promovendo outras formas de conexão;

Respeite o ritmo do bebé: Esteja atento aos sinais de prontidão alimentar do bebé;

Mantenha uma rotina: Mantenha uma rotina de alimentação e sono/descanso consistente de forma a proporcionar segurança e previsibilidade ao seu bebé;

Introduza os alimentos sólidos de forma gradual: ofereça uma refeição de sólidos em substituição da amamentação e vá introduzindo as restantes de forma gradual;

Hidratação adequada: A partir do momento que o bebé inicia a alimentação complementar os papás já podem introduzir a água na alimentação do bebé;

Seja flexível: Esteja aberta a ajustes conforme as necessidades do bebé e as suas próprias necessidades;

Monitorize o peso do seu bebé: é importante garantir que as mudanças na dieta do bebé não afetam negativamente a sua progressão ponderal e desenvolvimento;

Cuide do seu bem-estar emocional: Reconheça as emoções envolvidas durante o processo tanto para si como para o seu bebé.

Por fim, queremos relembrar, mais uma vez, que o desmame fisiológico é um processo individual e que pode variar de bebé para bebé e de mamã para mamã. O acompanhamento adequado é essencial.

 

Referências Bibliográficas:

Author:
Enfermeira Especialista em Saúde Infantil e Pediatria.